quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Pesadelo



"Não haviam zumbís, ou fantasmas, ou psicopatas. Não havia nada, na verdade. Só o nada. Só o labirinto sem fim de árvores cobertas de musgos, tão quietas que o silêncio batia quase insuportavelmente nos meus ouvidos. Estava escuro, como neblina ou um dia nublado, com luz suficiente apenas pra que eu visse que não havia mais nada lá pra ver. Eu me apressava na escuridão sem um caminho, sempre procurando, procurando, procurando, ficando mais frenética enquanto o tempo passava, tentando me mover mais rápido, apesar da velocidade me deixar mais desajeitada... Então chegava aquele ponto no sonho - e eu podia sentí-lo chegando agora, mas eu não parecia ser capaz de me acordar antes dele chegar - quando eu não conseguia me lembrar o que eu estava procurando. Então eu me dava conta de que não havia nada pra procurar, e nada pra encontrar. Eu me dava conta de que nunca houve nada além dessa floresta vazia, melancólica, e nunca houve nada além disso pra mim... nada além de nada..." (p.70)

2 comentários:

  1. Viciada!!!
    Olha prima, cuidado, pq vc tem uma leve tendencia a se viciar mto nessas coisas.
    hehehe

    ResponderExcluir