sábado, 31 de dezembro de 2011

Valeu, 2011!!

Aewww! 

Fim de ano... dando uma pausa no tempo cronológico e parando pra fazer pequenas reflexões sobre o ano que se passou. Afinal, tem coisa melhor que a oportunidade de recomeçar? Ainda que o recomeço esteja apenas no plano simbólico, o que vale é a reflexão e a intenção!! No final das contas, todo o investimento que fizemos, seja ele em coisas boas ou ruins, contribuiu pra chegar onde estamos, não é mesmo?

O saldo do meu 2011 foi MUITO bom e espero que o de vocês também tenha sido. Compartilho meu lema de 2012 e, independente do que venha pra nós nesse novo ano...


... temos que seguir em frente!!

Que venha 2012!!!

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Filme do dia: As coisas impossíveis do amor.



Pra quem gosta de drama, eu recomendo! Boa sugestão de trabalho sobre conflitos familiares, luto na infância e processos elaborativos do luto em mães que perderam seus bebês.

Segue o trailer:


sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

DIY: cabeceira nossa de todos os dias

De voltaaaa!!

Alguns dias em descumprimento da rotina de postagens diárias idealizadas no começo das minhas férias (eu e meus planos impossíveis... hehehe) by the way, já elaborei e estou de volta. Os dias têm sido intensos. Muita poeira, bagunça, tudo fora do lugar e, principalmente, o fato de estar desalojada do meu canto (aka. meu quarto, meu vida hehehe) tudo agravado com crise chata de rinite têm demandado muita paciência... MUITA!

Mas, bola pra frente!! Como já dizia Érico Veríssimo "Quando os ventos de mudança sopram, umas pessoas levantam barreiras, outras constroem moinhos de vento". Nesse caso, vamos reconstruir um quarto em menos de 30 dias. Uma pena não estar fazendo o antes e do depois, mas não lembrei e já é tarde... a pior parte já passou.

Pois bem, hoje trouxe um vídeo que vi no site da Casa de Jardim sobre cabeceiras. Minha cama já tem uma e não estou satisfeita com ela. Não sei se conseguirei mudá-la ainda nessa etapa, mas por precaução já estou procurando. 

Confere aí: 


Achei super fácil!! Eu usaria florais vintage (to pra virar uma moldura velha com esse negócio de vintage.. ninguém me aguenta mais hehehe)

Então é isso, deixo algumas fotos pra inspirar o decor-nosso-de-todo-dia.

-- papel de parede --


 -- quadros --




-- wall stickers --

Mimos, não?? Beijooos

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

DIY: Decor com latinhas

Achei muito criativa a ideia de usar latas na decoração da casa.
Seguem algumas ideias:





Fascinei pelas latinhas de tinta no hall de entrada.

Fica a dica do dia!

domingo, 4 de dezembro de 2011

Do It Yourself: organizador de pulseiras

Bom dia!!

Começando a manhã com uma busca pela cidade por artigos de decoração. 
Antes de ir, deixo a dica desse organizador de pulseiras que achei a coisa mais fofa. 

Material
Garrafa de refrigerante ou malzbier
Caixa de vinho ou recorrer a qualquer marcenaria
Cadarço - podendo fazer até um lacinho no prego

Fica a dica!

sábado, 3 de dezembro de 2011

Planejando as férias


Bom dia, Dezembro!

Dezembro é de longe meu mês preferido. E nada melhor do que FÉRIAS nesse mês especial...  E como não podia deixar de ser, muitos projetos pra 30 dias.

O primeiro deles é DESCANSAR... Mas quero relaxar com CRIATIVIDADE. Planejo APRENDER a fazer algumas comidinhas gostosas, ATUALIZAR projetos, ESCREVER um artigo, CUIDAR da saúde, REFORMAR meu quarto e SONHAR uns sonhos atrasados.

Pra começar, minha casa está em reforma e meu quarto entrou na onda. Faz tempo que tenho planos pra ele, mas não me resta tempo pra colocá-los no real. E, apesar de dezembro ser o mês do $13º$ não desfruto dessa $orte hehehe Coisas de uma 'relis residente'... Então, nada como a CRIATIVIDADE pra tornar sonho realidade.

Então, resolvi compartilhar por aqui as idéias sobre decoração e reciclagem.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

(....) Jogue seus cabelos no vento



Vai sem direção
Vai ser livre
A tristeza não
Não resiste
Jogue seus cabelos no vento
Não olhe pra trás
Ouça o barulhinho que o tempo
No seu peito faz
Faça sua dor dançar
Atenção para escutar
Esse movimento que traz paz
Cada folha que cair
Cada nuvem que passar
Deixa a terra respirar
Pelas portas e janelas das casas
Atenção para escutar
O que você quer saber de verdade

M. Monte

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Fragmentos de um dilema...



O Natal está chegando e com ele os calafrios na espinha do: "Será que esse ano eu vou acertar?".
Não vai não.
Se nem o outro sabe o que quer, como você pensa que vai saber?


Jorge Forbes em Não se engane com os sentimentos (Olhar do Psicanalista; Psique nº71, ano VI)

Fragmentos... Coletividade?



O prazer humano não é padronizável. Nem o sofrimento.
(...)
Que tristeza esse bom senso, que funciona como rolha de fechar sentimento.
(...)
Trata-se de uma agressão simpática.

Jorge Forbes em Não se engane com os sentimentos (Olhar do Psicanalista; Psique nº71, ano VI)

domingo, 13 de novembro de 2011

Estresse - H. Albert Einstein



Falar de estresse todo mundo fala – mas pouca gente sabe o que, de fato, é esse mal. "A s pessoas usam essa palavra para dizer que o dia foi corrido, com um monte de coisas para fazer, mas isso não necessariamente gera sinais de estresse, um mecanismo fisiológico sem o qual nem o ser humano nem os animais teriam sobrevivido até os dias de hoje", diz Selma Bordin, psicóloga do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).
Quando nossos ancestrais se deparavam com situações de perigo, como o encontro inesperado com um animal, precisavam defender-se – seja atacando ou fugindo. As duas reações possíveis demandam uma série de ajustes do corpo. "O batimento cardíaco acelera porque tem que bombear mais sangue, os músculos precisam receber mais energia, há um aumento da respiração e da pressão arterial, entre outras coisas", explica a dra. Selma.
Atualmente, vivendo em cidades e enfrentando problemas bem diversos dos da selva – como pressões para atingir metas –, o corpo continua preparando-nos para lutar ou fugir quando nos sentimos ameaçados. Mas, em geral, não partimos para a briga física, nem saímos em disparada. E toda a adrenalina, por exemplo, liberada em nosso sangue, fica sem função.

Sinais

Ninguém adoece, devido ao estresse, de um dia para o outro . E o próprio corpo avisa que as coisas não vão bem, basta prestar atenção. Confira alguns sinais que podem indicar estresse:
  • sensação de desgaste constante
  • alteração de sono (dormir demais ou pouco)
  • tensão muscular
  • formigamento (na face ou nas mãos, por exemplo)
  • problemas de pele
  • hipertensão
  • mudança de apetite
  • alterações de humor
  • perda de interesse pelas coisas
  • problemas de atenção, concentração e memória
  • ansiedade
  • depressão

Causas

Os chamados estressores podem ser:
  • internos: da própria pessoa, ligados a características de personalidade, como perfeccionismo, pressa, querer fazer tudo ao mesmo tempo.
  • externos: do ambiente. Mudanças em geral, até mesmo as positivas, desencadeiam estresse – porque exigem uma adaptação. Assim, são grandes fatores estressantes externos, por exemplo: o nascimento de um filho, mudanças profissionais (troca de emprego, promoção, demissão), aposentadoria, mudança de casa, divórcio, doença ou morte de pessoas queridas. Mas há também os pequenos, como o trânsito, que pode acabar tendo um peso importante para muitas pessoas.
"Quão estressante é um fator depende sempre do fator em si e da forma que a pessoa lida com ele", comenta a dra. Selma.
Veja o potencial estressante de algumas situações, sendo 100 o maior possível*.
  • morte do cônjuge - 100
  • divórcio - 73
  • prisão - 63
  • morte de um parente querido - 63
  • casamento - 50
  • demissão do trabalho - 47
  • aposentadoria - 45
  • reconciliação conjugal - 45
  • gravidez - 40
  • grandes conquistas pessoais - 28
  • problemas com o chefe - 23
  • férias - 13
*Fonte: The Social Readjustment Rating Scale, dos psiquiatras Thomas H. Holmes e Richard H. Rahe, ambos da Universidade de Washington, nos Estados Unidos.

Como evitar e tratar

É bom lembrar que estresse todo mundo tem, mas até certo ponto. No dia-a-dia, situações diversas apresentam-se para as pessoas, que se adaptam a elas. "É preciso ter estresse para poder viver. O problema é quando ele se torna excessivo, quando supera a capacidade de adaptação da pessoa ou quando ele persiste por muito tempo", alerta a psicóloga.
Algumas atitudes simples podem evitar ou amenizar o estresse:
  • dormir direito
  • cuidar da saúde
  • alimentar-se de forma saudável
  • fazer atividades físicas
  • proporcionar-se momentos de prazer
  • refletir sobre a maneira de lidar com as situações e buscar mudanças
"Se com esses cuidados a própria pessoa não conseguir controlar os níveis de estresse, deve procurar ajuda profissional", aconselha a profissional.
Três procedimentos ajudam a tratar o estresse:
  • identificar os estressores
  • aumentar a resistência pessoal a ele
  • quando for possível, eliminá-lo
Quão estressante é um fator depende sempre do fator em si e da forma que a pessoa lida com ele
No tratamento, o psicólogo ajuda o paciente a encontrar formas de contornar os estressores que não podem ser mudados. "Se meu problema é o trânsito, vou tentar horários, rotas alternativas. Se não tenho escolha, não vou ficar dentro do carro chorando e gritando. Eu posso aproveitar esse tempo para ouvir música, uma fita de idiomas, ler alguma coisa enquanto está parado. Precisamos resolver o que fazer com o problema", diz a dra. Selma.
Já os estressores internos, aqueles que são resultado de características de personalidade, requerem um trabalho maior. "Ninguém muda com pequenas dicas, e psicoterapia pode ser necessária. Quando o jeito de lidar com as coisas é problemático, é aconselhável procurar um psicólogo", orienta a dra Selma.
Importante: em nenhum momento deve-se lançar mão da automedicação. "Não existe medicação para tratar estresse. Alguns médicos prescrevem complexos vitamínicos. Se o estresse for crônico e evoluir para um estado depressivo ou ansioso, encaminhamos para avaliação de um psiquiatra", explica.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Restart by Louboutin?

Ah não, Louboutin!!
Isso tá muito Restart!

Foto:  Louis Strass, da linha de tênis de luxo intitulada Holiday.
Precinho?? 1.000 euros em cada par

Mais?
Definitivamente, mau gosto!

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Achei você no meu jardim...



Texto e música que recebemos no Dia do Psicólogo. Homenagem do HUUFMA aos Psicólogos.


"Ser psicólogo é uma imensa responsabilidade.
Não apenas isso, é também uma notável dádiva.
Desenvolvemos o dom de usar a palavra, o olhar,
as nossas expressões, e até mesmo o silêncio.
O dom de tirar lá de dentro o melhor que temos
para cuidar, fortalecer, compreender, aliviar.

Ser psicólogo é um ofício tremendamente sério.
Mas não apenas isso, é também um grande privilégio.
Pois não há maior que o de tocar no que há de mais
precioso e sagrado em um ser humano: seu segredo,
seu medo, suas alegrias, prazeres e inquietações.

Somos psicólogos e trememos diante da constatação
de que temos instrumentos capazes de
favorecer o bem ou o mal, a construção ou a destruição.
Mas ao lado disso desfrutamos de uma inefável bênção
que é poder dar a alguém o toque, a chave que pode abrir portas
para a realização de seus mais caros e íntimos sonhos.

Quero, como psicólogo aprender a ouvir sem julgar,
ver sem me escandalizar, e sempre acreditar no bem.
Mesmo na contra-esperança, esperar.
E quando falar, ter consciência do peso da minha palavra,
do conselho, da minha sinalização.
Que as lágrimas que diante de mim rolarem,
pensamentos, declarações e esperanças testemunhadas,
sejam segredos que me acompanhem até o fim.

E que eu possa ao final ser agradecido pelo privilégio de
ter vivido para ajudar as pessoas a serem mais felizes.
O privilégio de tantas vezes ter sido único na vida de alguém que
não tinha com quem contar para dividir sua solidão,
sua angústia, seus desejos.
Alguém que sonhava ser mais feliz, e pôde comigo descobrir
que isso só começa quando a gente consegue
realmente se conhecer e se aceitar."
Walmir Monteiro
Foto de parte da equipe:


quarta-feira, 7 de setembro de 2011




Só se pode viver perto de outro, e conhecer outra pessoa, sem perigo de ódio, se a gente tem amor. Qualquer amor já é um pouquinho de saúde, um descanso na loucura
Guimarães Rosa

terça-feira, 6 de setembro de 2011

A DANGEROUS METHOD - o filme.



Nem acreditei quando descobri o conteúdo do novo filme da Keira Knightley!!

Chama Dangerous Method e conta a história de amizade entre Freud e Jung e o nascimento da Psicanálise. Inicialmente seria lançado como 'The Talking Cure', nome que intitula a peça de Christopher Hampton, na qual o filme é baseado.

Keira interpretará a russa Sabina Spielrein, uma das primeiras mulheres psicanalíticas da história, que foi paciente no hospital onde Jung trabalhava, em Zurique.

Ainda sem previsão de chegada ao Brasil. Estreará no Festival de Veneza.

Psi'ss, vamos ao cinema?? Confiram o trailer.




Fica a dica

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Até eu fui obrigada a me respeitar...



"E se me achar esquisita, respeite também.
Até eu fui obrigada a me respeitar". 
(Clarice Lispector)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

"Jeito bom de se deixar viver..."



Ser capitã desse mundo
Poder rodar sem fronteiras
Viver um ano em segundos
Não achar sonhos besteira
Me encantar com um livro
Que fale sobre vaidade
Quando mentir for preciso
Poder falar a verdade

Maria Gadú

terça-feira, 23 de agosto de 2011

'Há ainda os que compram afeto': sobre o consumo compulsivo.


Essa semana, uma matéria da UOL sobre o comprar compulsivo me chamou muito a atenção. Nunca tinha atentado para a classificação desse transtorno e suas implicações. Fiz uma pequena revisão bibliográfica e disponibilizo parte da matéria também.
Sabe-se que o comprar compulsivo ou oniomania (e não oneomania como diz a reportagem) é um transtorno classificado no Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM-IV) na categoria "Transtornos do controle de impulsos não especificados", sendo caracterizado pela incapacidade de resistir a um impulso, tendência ou tentação para realizar um ato potencialmente nocivo ao indivíduo ou a terceiros (a matéria difere da classificação do DSM-IV, pois o categoriza como transtorno obsessivo-compulsivo, mas em pesquisas realizadas identifiquei que ainda há discussões sobre essa questão).
É um transtorno freqüentemente associado a complicações psicológicas, interpessoais, financeiras e legais, cuja prevalência oscila entre 1,8 e 16% da população norte-americana adultaA despeito de diversas modalidades de psicoterapia terem sido descritas como alternativas terapêuticas, antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina podem ser utilizados no tratamento do consumo compulsivo (TONELLI et al., 2008).

Inevitavelmente, eu não poderia deixar de associar o transtorno a uma personagem que faz bastante sucesso e é muito lembrada quando se trata de consumismo: Becky Bloom. A personagem se encaixa perfeitamente no diagnóstico e podemos perceber, por exemplo, sua auto-estima e relacionamentos interpessoais influenciando em sua decisão de compra.

Segue a matéria: 

Nunca foi tão fácil conseguir crédito no mercado. O resultado disso é que o brasileiro está se endividando cada vez mais. Cerca de 63% das famílias estão devendo e comprometem pelo menos 30% do salário com dívidas. Este é o resultado de uma pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor, realizada em abril pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). De acordo com o estudo, 8% não têm condições de quitar o saldo devedor, chegando a demorar em média 58,8 dias para pagar.


"Há várias razões que levam uma pessoa a se endividar: desde as estritamente necessárias, ligadas à sobrevivência, até para exibir um status que não tem, para aliviar a ansiedade ou mesmo ocupar o tempo", diz a psicóloga Olga Tessari, autora do livro "Dirija Sua Vida Sem Medo" (Ed. Letras Jurídicas). Comprar indiscriminadamente, a ponto de se tornar um devedor por muito tempo e sem conseguir parar, é considerado uma doença obsessivo-compulsiva chamada oneomania, que atinge principalmente as mulheres. Não se sabe ao certo o porquê, mas acredita-se que sejam fatores culturais.

"O superendividamento é uma consequência da compra compulsiva. É uma característica de cada indivíduo que se apoia no externo para fortalecer a sua imagem. Pode, ainda, estar ligado à baixa autoestima e por não saber lidar com emoções negativas ou não souber dizer não a quem pede empréstimo", avalia a psicóloga Tatiana Filomensky, coordenadora do atendimento de compradores compulsivos do Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

Patologias associadas

Geralmente, o comprador compulsivo tem, também, algum outro transtorno - como de humor, ansiedade, alimentar - ou dependência de substâncias químicas (como drogas, medicamentos ou álcool). "Comprar é gostoso. E eles vão em busca da sensação de prazer. Os problemas se acumulam e os prejuízos passam do financeiro para o familiar e social. Brigas em casa são constantes", diz Tatiana Filomensky.

Embora percebam que o endividamento está prejudicando a sua vida, para aliviar a ansiedade, essas pessoas compram cada vez mais. Mas não conseguem aplacar o sentimento e voltam a ter comportamento compulsivo. "É um círculo vicioso que traz cada vez mais sofrimento. Para resolver o problema, é preciso entender os fatores que geram a elevação da ansiedade, aprender a lidar com eles e superá-los", afirma Olga Tessari.

Note a diferença

Gostar de comprar não é o mesmo que ser um comprador compulsivo. "Uma pessoa que se endivida uma vez sofre tanto que vai fugir ao máximo de novas prestações, por medo do sofrimento vivido. Já o compulsivo quer aliviar a compulsão comprando cada vez mais, na busca pelo prazer, sem pensar no futuro", define Olga Tessari. "Uma das minhas pacientes comprou a terceira torradeira, pois não podia perder uma oferta maravilhosa. Quando indaguei por que, ela respondeu: ‘não resisti, foi mais forte do que eu’", conta. Tatiana Filomensky já atendeu pacientes com os mais diversos tipos de problema.

Gente que perdeu o apartamento, o carro, uma poupança de R$ 100 mil.Para se livrar da compulsão, não há outro remédio senão fazer um tratamento psicológico e, em alguns casos, psiquiátrico. "Primeiro é preciso reconhecer que tem a patologia e parar de mentir. Precisa de avaliação médica correta e adequada, para acabar com os sintomas, e da psicológica, para entender por que que comprar virou um problema. Analisar as emoções envolvidas e as situações em que gasta. É preciso entender como lidar bem com o dinheiro”, diz Tatiana Filomensky.

Perfil dos devedores

De acordo com Gilson Luís da Silva, um dos coordenadores do grupo Devedores Anônimos, de São Paulo, 70% dos frequentadores das reuniões semanais são compradores compulsivos. “É o perfil mais comum. Compram para acumular objetos, para saciar a ansiedade. Adquirem coisas para si", diz.

Há ainda os que compram afeto, sustentando os outros, pagando rodadas de bebidas, se endividando para ajudar. "As pessoas usam de má fé e pedem dinheiro emprestado, sempre se baseando em alguma história de carência. E os endividados não sabem dizer não". Mas há, também, quem contrai dívidas porque não sabe contabilizar os gastos e administrar o salário do mês – e mesmo cheios de contas para pagar, continuam gastando mais do que ganham.

Para ter acesso à matéria completa, aos depoimentos e fazer um teste proposto por psicólogos do ambulatório dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do HC da USP, clica aqui

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Passos Lentos


Eu acredito nos desacreditados. Tenho fé nos desesperançados.
Eu estou aqui pelas almas sem vida, sem fôlego.
Pelos desfavorecidos, pelos que vivem em subumanidade de matéria e de espírito.
Para os laços quebrados. Para o luto.
Para a esperança. Para o enfrentar.
Para o mais além... paciência.
Eu estou para o reencontro dele com ele mesmo.
Eu estou para o outro.
Em passos lentos.

Maiara Marques

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Ministério da saúde: crianças, adolescentes e famílias vitimizadas.


Cartilha do MS da série Comunicação e Educação em saúde. Essencial para quem trabalha na assistência de crianças, adolescentes e suas famílias, especialmente as em situação de violência.


As principais linhas de atuação propostas pela cartilha são: Promoção da saúde e prevenção de violências;   Tipos e natureza de violências que atingem crianças e adolescentes; Alerta para os sinais e sintomas de violências contra crianças e adolescentes; Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças; Rede de cuidado e de proteção social para a atenção integral às crianças.


Cartilha completa aqui.

Excelente material! Fica a dica.

Pai...

A você, 
minha admiração, meu respeito e minha gratidão. 
Sou grata por toda renúncia, dedicação, esforço.
Por dividir sua vida comigo.

Obrigada, Deus, pela oportunidade de ter um pai.



Esses seus cabelos brancos, bonitos, esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas, um grito, me ensinando tanto, do mundo...
E esses passos lentos, de agora, caminhando sempre comigo,
Já correram tanto, na vida, meu querido, meu velho, meu amigo

Sua vida cheia de histórias, e essas rugas marcadas pelo tempo,
Lembranças de antigas, vitórias ou lágrimas choradas, ao vento...
Sua voz macia, me acalma e me diz muito mais do que eu digo
Me calando fundo, na alma, meu querido, meu velho, meu amigo

Seu passado vive, presente, nas experiências, contidas,
Nesse coração, consciente, da beleza das coisas, da vida.
Seu sorriso franco, me anima, seu conselho certo, me ensina,
Beijo suas mãos e lhe digo, meu querido, meu velho, meu amigo

Eu já lhe falei de tudo,
Mas tudo isso é pouco diante do que sinto...
Olhando seus cabelos tão bonitos,
Beijo suas mãos e digo, meu querido, meu velho, meu amigo

Roberto Carlos & Erasmo