domingo, 23 de janeiro de 2011

Não entendo....



Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.


Clarice Lispector


Foto: Keira pra VOGUE.

4 comentários:

  1. Só um pouco, Clarice.

    http://vemcaluisa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. é quase a douta ignorância lacaniana.

    ResponderExcluir
  3. Às vezes, eu bem prefiro também nada entender... "É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida"...

    ResponderExcluir
  4. Gorgeous vintage dresses.. love them..

    ResponderExcluir