segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Até eu fui obrigada a me respeitar...



"E se me achar esquisita, respeite também.
Até eu fui obrigada a me respeitar". 
(Clarice Lispector)

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

"Jeito bom de se deixar viver..."



Ser capitã desse mundo
Poder rodar sem fronteiras
Viver um ano em segundos
Não achar sonhos besteira
Me encantar com um livro
Que fale sobre vaidade
Quando mentir for preciso
Poder falar a verdade

Maria Gadú

terça-feira, 23 de agosto de 2011

'Há ainda os que compram afeto': sobre o consumo compulsivo.


Essa semana, uma matéria da UOL sobre o comprar compulsivo me chamou muito a atenção. Nunca tinha atentado para a classificação desse transtorno e suas implicações. Fiz uma pequena revisão bibliográfica e disponibilizo parte da matéria também.
Sabe-se que o comprar compulsivo ou oniomania (e não oneomania como diz a reportagem) é um transtorno classificado no Manual de Diagnóstico e Estatística das Perturbações Mentais (DSM-IV) na categoria "Transtornos do controle de impulsos não especificados", sendo caracterizado pela incapacidade de resistir a um impulso, tendência ou tentação para realizar um ato potencialmente nocivo ao indivíduo ou a terceiros (a matéria difere da classificação do DSM-IV, pois o categoriza como transtorno obsessivo-compulsivo, mas em pesquisas realizadas identifiquei que ainda há discussões sobre essa questão).
É um transtorno freqüentemente associado a complicações psicológicas, interpessoais, financeiras e legais, cuja prevalência oscila entre 1,8 e 16% da população norte-americana adultaA despeito de diversas modalidades de psicoterapia terem sido descritas como alternativas terapêuticas, antidepressivos inibidores da recaptação de serotonina podem ser utilizados no tratamento do consumo compulsivo (TONELLI et al., 2008).

Inevitavelmente, eu não poderia deixar de associar o transtorno a uma personagem que faz bastante sucesso e é muito lembrada quando se trata de consumismo: Becky Bloom. A personagem se encaixa perfeitamente no diagnóstico e podemos perceber, por exemplo, sua auto-estima e relacionamentos interpessoais influenciando em sua decisão de compra.

Segue a matéria: 

Nunca foi tão fácil conseguir crédito no mercado. O resultado disso é que o brasileiro está se endividando cada vez mais. Cerca de 63% das famílias estão devendo e comprometem pelo menos 30% do salário com dívidas. Este é o resultado de uma pesquisa de endividamento e inadimplência do consumidor, realizada em abril pela Confederação Nacional do Comércio (CNC). De acordo com o estudo, 8% não têm condições de quitar o saldo devedor, chegando a demorar em média 58,8 dias para pagar.


"Há várias razões que levam uma pessoa a se endividar: desde as estritamente necessárias, ligadas à sobrevivência, até para exibir um status que não tem, para aliviar a ansiedade ou mesmo ocupar o tempo", diz a psicóloga Olga Tessari, autora do livro "Dirija Sua Vida Sem Medo" (Ed. Letras Jurídicas). Comprar indiscriminadamente, a ponto de se tornar um devedor por muito tempo e sem conseguir parar, é considerado uma doença obsessivo-compulsiva chamada oneomania, que atinge principalmente as mulheres. Não se sabe ao certo o porquê, mas acredita-se que sejam fatores culturais.

"O superendividamento é uma consequência da compra compulsiva. É uma característica de cada indivíduo que se apoia no externo para fortalecer a sua imagem. Pode, ainda, estar ligado à baixa autoestima e por não saber lidar com emoções negativas ou não souber dizer não a quem pede empréstimo", avalia a psicóloga Tatiana Filomensky, coordenadora do atendimento de compradores compulsivos do Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP.

Patologias associadas

Geralmente, o comprador compulsivo tem, também, algum outro transtorno - como de humor, ansiedade, alimentar - ou dependência de substâncias químicas (como drogas, medicamentos ou álcool). "Comprar é gostoso. E eles vão em busca da sensação de prazer. Os problemas se acumulam e os prejuízos passam do financeiro para o familiar e social. Brigas em casa são constantes", diz Tatiana Filomensky.

Embora percebam que o endividamento está prejudicando a sua vida, para aliviar a ansiedade, essas pessoas compram cada vez mais. Mas não conseguem aplacar o sentimento e voltam a ter comportamento compulsivo. "É um círculo vicioso que traz cada vez mais sofrimento. Para resolver o problema, é preciso entender os fatores que geram a elevação da ansiedade, aprender a lidar com eles e superá-los", afirma Olga Tessari.

Note a diferença

Gostar de comprar não é o mesmo que ser um comprador compulsivo. "Uma pessoa que se endivida uma vez sofre tanto que vai fugir ao máximo de novas prestações, por medo do sofrimento vivido. Já o compulsivo quer aliviar a compulsão comprando cada vez mais, na busca pelo prazer, sem pensar no futuro", define Olga Tessari. "Uma das minhas pacientes comprou a terceira torradeira, pois não podia perder uma oferta maravilhosa. Quando indaguei por que, ela respondeu: ‘não resisti, foi mais forte do que eu’", conta. Tatiana Filomensky já atendeu pacientes com os mais diversos tipos de problema.

Gente que perdeu o apartamento, o carro, uma poupança de R$ 100 mil.Para se livrar da compulsão, não há outro remédio senão fazer um tratamento psicológico e, em alguns casos, psiquiátrico. "Primeiro é preciso reconhecer que tem a patologia e parar de mentir. Precisa de avaliação médica correta e adequada, para acabar com os sintomas, e da psicológica, para entender por que que comprar virou um problema. Analisar as emoções envolvidas e as situações em que gasta. É preciso entender como lidar bem com o dinheiro”, diz Tatiana Filomensky.

Perfil dos devedores

De acordo com Gilson Luís da Silva, um dos coordenadores do grupo Devedores Anônimos, de São Paulo, 70% dos frequentadores das reuniões semanais são compradores compulsivos. “É o perfil mais comum. Compram para acumular objetos, para saciar a ansiedade. Adquirem coisas para si", diz.

Há ainda os que compram afeto, sustentando os outros, pagando rodadas de bebidas, se endividando para ajudar. "As pessoas usam de má fé e pedem dinheiro emprestado, sempre se baseando em alguma história de carência. E os endividados não sabem dizer não". Mas há, também, quem contrai dívidas porque não sabe contabilizar os gastos e administrar o salário do mês – e mesmo cheios de contas para pagar, continuam gastando mais do que ganham.

Para ter acesso à matéria completa, aos depoimentos e fazer um teste proposto por psicólogos do ambulatório dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do HC da USP, clica aqui

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Passos Lentos


Eu acredito nos desacreditados. Tenho fé nos desesperançados.
Eu estou aqui pelas almas sem vida, sem fôlego.
Pelos desfavorecidos, pelos que vivem em subumanidade de matéria e de espírito.
Para os laços quebrados. Para o luto.
Para a esperança. Para o enfrentar.
Para o mais além... paciência.
Eu estou para o reencontro dele com ele mesmo.
Eu estou para o outro.
Em passos lentos.

Maiara Marques

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Ministério da saúde: crianças, adolescentes e famílias vitimizadas.


Cartilha do MS da série Comunicação e Educação em saúde. Essencial para quem trabalha na assistência de crianças, adolescentes e suas famílias, especialmente as em situação de violência.


As principais linhas de atuação propostas pela cartilha são: Promoção da saúde e prevenção de violências;   Tipos e natureza de violências que atingem crianças e adolescentes; Alerta para os sinais e sintomas de violências contra crianças e adolescentes; Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças; Rede de cuidado e de proteção social para a atenção integral às crianças.


Cartilha completa aqui.

Excelente material! Fica a dica.

Pai...

A você, 
minha admiração, meu respeito e minha gratidão. 
Sou grata por toda renúncia, dedicação, esforço.
Por dividir sua vida comigo.

Obrigada, Deus, pela oportunidade de ter um pai.



Esses seus cabelos brancos, bonitos, esse olhar cansado, profundo
Me dizendo coisas, um grito, me ensinando tanto, do mundo...
E esses passos lentos, de agora, caminhando sempre comigo,
Já correram tanto, na vida, meu querido, meu velho, meu amigo

Sua vida cheia de histórias, e essas rugas marcadas pelo tempo,
Lembranças de antigas, vitórias ou lágrimas choradas, ao vento...
Sua voz macia, me acalma e me diz muito mais do que eu digo
Me calando fundo, na alma, meu querido, meu velho, meu amigo

Seu passado vive, presente, nas experiências, contidas,
Nesse coração, consciente, da beleza das coisas, da vida.
Seu sorriso franco, me anima, seu conselho certo, me ensina,
Beijo suas mãos e lhe digo, meu querido, meu velho, meu amigo

Eu já lhe falei de tudo,
Mas tudo isso é pouco diante do que sinto...
Olhando seus cabelos tão bonitos,
Beijo suas mãos e digo, meu querido, meu velho, meu amigo

Roberto Carlos & Erasmo

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Como um pêssego: descubra o que comer para melhorar a pele do rosto.



Ter uma pele jovem e bonita é o objetivo de toda mulher. Algumas apostam nos cremes caros e em tratamentos demorados. Porém, existe um jeito bem mais em conta, além de saudável, para deixar seu rosto macio como um pêssego. Através de uma dieta balanceada, é possível amenizar rugas, combater a acne e acabar com as olheiras. Descubra os melhores alimentos e transforme sua pele.

A aparência da pele é resultado das vitaminas e minerais consumidos diariamente. Com funções anti-inflamatórias e antioxidantes, as vitaminas A, C, D e E são importantes. Além de minerais como o zinco, que ajuda a prevenir as rugas, e o manganês e o cobre, que auxiliam na produção de colágeno.
Para combater a acne, as vitaminas C são as melhores aliadas. Mexerica, mamão, acerola, tomate, aveia, goiaba e cenoura são alguns alimentos que devem estar na dieta. Garantir a hidratação da pele também é importante, então, frutas como melancia, abacaxi e melão são essenciais no cardápio. A água de coco também é recomendada.

Manter o rostinho de bebê é o seu sonho? Então, não deixe de consumir tomate, chá-verde, uvas vermelhas, soja, nozes, leite, gérmen de trigo, limão, entre outros. Os alimentos antioxidantes ajudam a retardar o envelhecimento da pele.
Terror de muitas mulheres, as rugas podem diminuir com o consumo de alimentos ricos em vitamina E. Para se livrar das indesejáveis dobrinhas, aposte na semente de girassol sem casca, laranja, abóbora, rúcula e espinafre.
O óculos escuro é o melhor amigo de muitas mulheres. Para esconder as olheiras, o acessório é utilizado até nos dias nublados. Para evitar as marcas arroxeadas, opte por uma alimentação rica em ômega-3. Salmão, atum, semente de linhaça, quinoa, soja, laranja e mamão são alguns alimentos recomendados. Chocolates, refrigerante, alimentos gordurosos e fritura devem ser evitados, como em quase toda dieta.
Anotou as dicas? Então, aposte em uma alimentação balanceada e tenha uma pele de bebê por muitos e muitos anos. (Aka. Bem, isso nunca vai acontecer... mas vale tentar!)
Ps. A receita é pra comer e não fazer máscara de frutas hehehe

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Nível de atividade física afeta humor de jovens

Deve ser por isso que ando tão mal humorada esses dias... hehe


Estudo investiga associação entre nível de atividade física e alterações no estado de humor de adolescentes, avaliando também diferenças entre gêneros.

A pesquisa foi conduzida por Francisco Werneck e Cristiane Navarro, publicada na Psicologia: Teoria e Pesquisa. Participaram do estudo 17 meninos e 24 meninas, os quais passaram por uma avaliação de humor e do nível de atividade física habitual.

Os resultados demonstraram que aqueles que praticam atividades físicas regularmente tem menos alterações de humor, independente de serem homens ou mulheres.

O estudo completo pode ser acessado clicando aqui 

Fonte: RedePsi


Aproveitei pra ler o artigo e destaco alguns trechos:

Tem sido demonstrado que a prática regular da atividade física está associada a diversos benefícios psicológicos, como menor reatividade ao estresse, diminuição da ansiedade, depressão e hostilidade, melhoria do humor, do autoconceito e do bem-estar psicológico, tanto em pessoas saudáveis quanto em pacientes clínicos.

Em face de todas essas evidências, o exercício físico tem se tornado uma alternativa não-farmacológica, econômica, saudável e de maior adesão na prevenção e tratamento de distúrbios psicológicos e na promoção da saúde mental.

Em geral, pessoas fisicamente ativas e com maior aptidão física possuem um melhor estado de humor do que aquelas sedentárias e menos aptas.

No final, lembrei de uma reportagem da Folha Online associando o mau humor a uma doença crônica, a distimia. Fica a dica aqui.


terça-feira, 9 de agosto de 2011

Saudade


Saudade de quem não pude conhecer. 
Ficou um vazio marcado no semblante do outro. 
Hora passando despercebido,
mas outrora nítido no rosto cabisbaixo. 
É uma saudade inscrita na finitude
e na dúvida de um (re)encontro.

Ao meu avô, Caetano.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Estações



Talvez sejam as estações... o blog mais uma vez muda de cara. Dessa vez um estilo mais vintage. Ele quase muda de layout como eu mudo de roupa. E talvez, se eu tivesse dinheiro suficiente, meu quarto também mudaria de cor, estampa, móveis... ainda bem que não tenho esse dinheiro Abre parênteses seria doentio Fecha parênteses.

Um leve deslocamento e uma projeção associada me fazem isso..  Me questiono: O que eu quero realmente mudar? Talvez eu devesse mudar?
Talvez...
Talvez sejam as minhas estações.

Minha despedida de toda segunda-feira.



"Mas se quiser tem que ser agora, depois não dá. Eu tenho que ir embora, não sei quando vou voltar. Fica combinado a gente mata a vontade, deixa um lugar pra saudade, tenta não se apaixonar." 
(Jorge e Mateus)

Volta logo!

Livro: Maria da Tempestade



"Quando um coração não tem a liberdade de se encontrar a si mesmo, ele se perde. E torna-se capaz de tudo, contanto que não morra asfixiado". 

Trecho do livro Maria da Tempestade do Padre João Mohana. É um romance dos anos 50 que minha mãe lia quando eu era criança. Voltei a relê-lo há pouco tempo e tenho me apaixonado por Bárbara, personagem principal do livro.

Sinopse: Maria da Tempestade traz a mensagem de um homem e uma mulher que fizeram do casamento uma odisséia de autenticidade. Bastaria a figura de Bárbara Sena para impor este livro. É um tipo novo de mulher, fascinante, que não se conhece sem se ser tocado no mais fundo ponto do coração. Hoje seria impossível excluí-la do número das grandes criações da ficcção brasileira. Seguindo a linha de Bárbara Sena, cada personagem de Maria da Tempestade é construída com vida, transfigurando-se diante de nossos olhos com irresistível sensação de existência.